Na escola...

Ele há-os de todas as cores e feitios! (os miúdos e as miúdas, claro!). Então, na escola... é uma montra enorme de vícios (e virtudes!).

Há os que batem nos colegas (por acaso, ontem, a minha filha bateu numa colega, mas... foi em legítima defesa... e eu até já lhe tinha dito: dão-te!... dás também!) e depois há os que são batidos por todos (o meu filho é um autêntico bombo da festa, perseguem-no... mas, eu já sei o que isto é: é o bullying, pois então!... malditas modernices). E há os que partem coisas, perdem tudo, têm "bicho carpinteiro" ( mesmo quando as cadeiras já são de plástico e não de madeira!) E depois... os professores não podem fazer nada. "Chamam-se os pais que a culpa é da educação que (não) lhes dão em casa... e das regras do Ministério... e do tempo que trabalhamos... e... E depois... os pais dizem: são as más companhias... e os professores que não ensinam (não querem, nem sabem!)... e que só querem ganhar e trabalhar pouco... e... E depois... os professores sentem-se culpados... e... os pais... também!... E depois os professores lavam daí as suas mãos (quando a coisa aperta!)... e... os pais... também!

Hei!... Está aqui uma criança escolarizada ao abandono!... Entrega-se a quem provar pertencer-lhe!...

Perdoem o brincar com coisas sérias! Mas, não há nada melhor do que quebrar o Manto de Infelicidade, respirar fundo, abrir bem os olhos e... falar sem acusar. Vivemos em Portugal. Procuramos, veementemente, culpados!... Ainda num passado muito recente, muitos de nós, foram instruídos para denunciar os outros, para esticar o dedo em riste e dizer: "Foi aquele!" (mesmo que ele não tivesse sido, safávamo-nos nós de um castigo!; é que " a pele da minha vizinha é bem mais dura que a minha"). Quando eu era pequeno, lembra-me de acampar, em tendas, de lona ainda... Começava a chover, durante a noite... Um maldito ping-ping instalava-se sobre o nosso nariz... Com cuidado, muito de mansinho, bastava pôr um dedo no ping-ping e arrastá-lo para sobre o nariz do colega. Ficava ele com o ping-ping e nós com o dorme em paz!

A Escola é (devia... deve ser!) o mais importante tempo da vida em que se deve activar irremediávelmente toda uma fome-de-saber específica face á Vida e ao Mundo. Temos todos enormes responsabilidades. E não devemos limitar-nos a empurrar o ping-ping. O Psicólogo, afinal, também ajuda aqui??! Claro que sim. O Psicólogo ajuda sempre onde há seres humanos. Antes do mais, professores, pais e alunos, são seres humanos. Merecedores da preservação da sua dignidade, de toda a ajuda externa para reflectirem sobre si-próprios, a sua relação com o Mundo e os outros. Quem está acima, numa pretensa hierarquia de saberes face à análise e reflexão?!... Ninguém. Todos, estando de boa-fé, podem ser ajudados na sua caminhada para estarem melhor e serem melhores. "Se queres saber do que precisa uma Criança, deves fazê-la caminhar à tua frente para a poderes observar" (cito, de memória, falível na exactidão das palavras, a um tal pedagogo Rousseau).